Lição 07: Idioma, texto e contexto

Print Friendly, PDF & Email

Lições da Escola Sabatina Mundial – Estudos do Segundo Trimestre de 2020

Tema geral do trimestre: Como interpretar as Escrituras

Lição 07: Idioma, texto e contexto

Semana: 9 a 15 de maio

Comentário auxiliar elaborado por Sikberto Renaldo Marks, professor titular, sênior, no curso de Administração de Empresas da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – UNIJUÍ (Ijuí – RS)

Este comentário complementa o estudo da lição original

www.cristoembrevevira.com marks@unijui.edu.br – Fone: (55) 3332.4868 WhatsApp : (55)98458.2172

Ijuí – Rio Grande do Sul, Brasil

Verso para memorizar:Tomai este Livro da Lei e ponde-o ao lado da arca da Aliança do Senhor, vosso DEUS, para que ali esteja por testemunho contra ti” (Deut. 31:26).

Introdução de sábado à tarde

 “Segundo a última edição do Ethnologue que é a maior enciclopédia de línguas, existem cerca de 7102 línguas no mundo. De todos os continentes, é na Ásia que se falam mais idiomas no mundo, sendo que existem 2294. Na África existem 2144. Quanto à Oceânia, existem aproximadamente 1000 idiomas e na América 1061 idiomas. Quanto à Europa falam-se o menor número de idiomas, num total de 287” (Fonte aqui).

“No Brasil tem 188 idiomas em uso – o português (claro!), mais 187 variedades indígenas. Uma delas é o apiacá, falado por apenas dois brasileiros, e o ofaié, praticado por 11 índios do Mato Grosso do Sul. Cerca de 30 dessas línguas estão em extinção e 47 idiomas que um dia foram falados no país já desapareceram para sempre.

“O idioma mais popular do planeta é o mandarim, o principal dialeto chinês, falado por algo em torno de 870 milhões de pessoas. Em segundo lugar aparece o hindi, a língua oficial da Índia, usado por cerca de 500 milhões de pessoas. O espanhol vem em terceiro lugar, o inglês em quarto e o nosso português em sétimo.

“O Ethnologue lista 497 línguas que correm o risco de desaparecer em poucas décadas. E segundo a Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) metade dos idiomas falados hoje em dia pode sumir durante o século 21, por causa do predomínio do inglês nas páginas da internet.

“O país com mais línguas no mundo é Papua Nova Guiné, onde são falados nada menos que 820 idiomas diferentes – a vizinha Indonésia é a vice-campeã, com 742 idiomas. No outro extremo, a Coréia do Norte é o único país onde só se fala uma língua. Em seguida, vem o Haiti, com dois idiomas” (Fonte aqui).

Por sua vez, o Google Tradutor tem suporte para a tradução de mais 60 idiomas, como árabe, hindi, malaio, tailandês e vietnamita, totalizando 88 línguas compreendidas pela plataforma. Qualquer uma dessas línguas pode ser traduzida para os mais de 100 idiomas disponíveis no Google Tradutor.

Tradução da Bíblia. A Bíblia tem sido traduzida em muitos idiomas a partir do hebraico e do grego. A primeira tradução da Bíblia hebraica foi para o grego, a Septuaginta (LXX), que mais tarde se tornou o textus receptus do Antigo Testamento na Igreja e na base do seu cânon.

Em 2015, foram registradas 50 novas traduções, beneficiando cerca de 160 milhões de pessoas, segundo a SBB. Um estudo recente feito pela Sociedade Bíblica Americana (SBA) mostra que a maioria (72%) dos evangélicos acredita que a Bíblia está disponível em todas as línguas do mundo. Contudo, cerca de 57% das línguas ainda precisam de traduções bíblicas completas. Realizado pelo Instituto Barna, a pedido da SBA, os dados indicam que apenas 43% dos grupos étnicos realmente podem ter contato com as Escrituras na sua língua materna. O português faz parte do seleto grupo de 636 idiomas cujos falantes podem ter acesso à Bíblia. São 1.859 (31%) que ainda não têm ninguém envolvido no processo de tradução da Bíblia. Ao mesmo tempo, outras 2.195 (26%) linguagens já possuem pessoas envolvidas para a disponibilização do texto bíblico. Bob Creson, presidente da Wycliffe Bible Translators, uma das maiores missões a realizar esse tipo de trabalho, está otimista. Ele afirmou ao The Christian Post que, apesar do grande desafio, o processo de tradução bíblica está mais rápido do que nunca e alcançando um número recorde de línguas. O experiente missionário afirma: “São 2.195 novos projetos. É o número mais elevado da história. Há mais trabalho acontecendo do que nunca. Segundo as estatísticas publicadas no site da Missão Wycliffe, pelo menos 1,5 bilhão de pessoas não têm a Bíblia completa disponível em sua primeira língua, ou língua materna. Mais de 684 milhões possuem o Novo Testamento; outras têm porções ou pelo menos algum nível de tradução ou trabalho preparatório já iniciado. Atualmente, aproximadamente 100 organizações, de mais de 60 países, trabalham em cooperação com a Wycllife. Essa “aliança” oferece serviço de pessoal, recursos, treinamentos, tradução e serviços de apoio, estando envolvida em quase 2000 das 2422 línguas com trabalho ativo. (Fonte aqui)

DEUS está, a olhos vistos, tratando de disponibilizar Sua Palavra a todas as pessoas do mundo antes que feche a porta da graça. Isso é preciso, ou, como se iria pregar este evangelho a toda nação, tribo e língua? É um esforço gigantesco e de alto custo, mas se tratando de vidas humanas, é mais importante que desenvolver a vacina contra a Covid-19. Essa vacina é importante e vital, mas a Bíblia mais ainda. A vacina é para se viver mais um tempo, a Bíblia para se viver para sempre.

  1. Primeiro dia: Compreensão das Escrituras

A primeira tradução da Bíblia hebraica foi para o grego, a Septuaginta (LXX), que mais tarde se tornou o textus receptus do Antigo Testamento na Igreja e na base do seu cânon. Septuaginta é o nome da versão da Bíblia hebraica traduzida em etapas para o grego koiné, entre o século III a.C. e o século I a.C., em Alexandria. Dentre outras tantas, é a mais antiga tradução da bíblia hebraica (texto original) para o grego, língua franca do Mediterrâneo oriental pelo tempo de Alexandre, o Grande. Essa tradução foi feita por 70 sábios judeus (alguns dizem ser 72) que viviam no norte do Egito.

Depois que Alexandre o grande conquistou o império persa, incluindo o território de Israel, o grego se tornou a língua internacional da região. Muitos judeus que nasceram e cresceram em outras regiões não sabiam falar nem ler hebraico. Por isso, não podiam ler as Escrituras. Daí surgiu a necessidade de traduzir o Antigo Testamento para o grego.

A septuaginta era uma tradução muito popular no tempo de Jesus e dos apóstolos. O Novo Testamento muitas vezes cita a versão septuaginta do Antigo Testamento, em vez do hebraico. Isso mostra que em vários lugares a septuaginta era a versão mais conhecida do Antigo Testamento.

A Vulgata foi produzida para ser mais exata e mais fácil de compreender do que suas predecessoras. Foi a primeira, e por séculos a única, versão da Bíblia que verteu o Antigo Testamento diretamente do hebraico e não da tradução grega conhecida como Septuaginta. Foi a tradução latina da Bíblia que, feita por são Jerônimo, que começou a tradução em 382 d.C., foi declarada pelo concílio de Trento como a versão oficial da Igreja católica.

A King James Fiel é a melhor tradução da Bíblia em português porque observa os valores literais do grego e transmite um significado mais fiel e relevante. Ela é uma tradução inglesa da Bíblia realizada em benefício da Igreja Anglicana, sob ordens do rei Jaime I do Reino Unido, no início do século XVII.

Abraão foi escolhido por DEUS para ser o pai de uma nação que deveria ser uma bênção às famílias e às nações do mundo. “Então o Senhor disse a Abrão: “Saia da sua terra, do meio dos seus parentes e da casa de seu pai, e vá para a terra que Eu lhe mostrarei. “Farei de você um grande povo, e o abençoarei. Tornarei famoso o seu nome, e você será uma bênção. Abençoarei os que o abençoarem, e amaldiçoarei os que o amaldiçoarem; e por meio de você todos os povos da Terra serão abençoados”” (Gên. 12:1-3). A tradução da septuaginta foi a primeira porque naqueles tempos, antes de CRISTO, o mundo sofria grande influência da cultura grega bem como a maioria falava essa língua. Logo, DEUS providenciou que surgisse essa tradução, do Antigo Testamento, que ainda existe hoje.

DEUS vem cuidando da Bíblia ao longo dos tempos. Já foram tantas traduções, 2.935 diferentes idiomas, isso em 2014. Em cada ano fazem muitas traduções. Até antes do ano 2030 todas as línguas deverão ter sua Bíblia traduzida.

JESUS, que usava a Bíblia Hebraica, do Antigo Testamento, disse a Seus discípulos que deviam crer em tudo o que a Seu respeito estava escrito ”na lei de Moisés, nos profetas, e nos salmos”. Lucas 24:44. Ele fez várias referências à Bíblia da época, tais como:

Em Marcos 12:10 e 11, Jesus cita o Salmo 118:22 e 23;

Em Marcos 11:17, Jesus cita Isaías 56:7;

Em Mateus 15:9, Jesus cita Isaías 29:13;

Na tentação do deserto, em Mateus 4:6, Jesus cita Deuteronômio 6:16.

Nós temos o privilégio de ler as mesmas palavras que JESUS leu, e que Ele mandou escrever. É uma grande prerrogativa ter acesso ao livro de DEUS, e em poucos anos todas as pessoas do mundo também terão. Daí é a hora de concluir a pregação e JESUS voltar.

  • Segunda: Palavras e seus significados

A lição de hoje trata do significado das palavras, algo bem complexo. Por exemplo, existem na literatura e na Bíblia as palavras do tipo polissemia. É um conceito da área da Linguística, mas especificamente da Semântica, utilizado para definir “algo que possui muitos significados.” Desse modo, uma palavra polissêmica nada mais é que aquela que possui significados múltiplos, embora seja escrita e pronunciada da mesma forma. Vejamos um exemplo, da palavra formigueiro:

Significado 1 = multidão.

Ex.: Às vésperas do Natal, a Avenida 25 de Março em São Paulo parece um formigueiro.

Significado 2 = sensação semelhante à de coceira.

Ex.: O paciente relatou ao médico que estava sentindo um formigueiro nos pés.

Significado 3 = toca das formigas.

Ex.: Havia um imenso formigueiro no jardim de casa.

Na Bíblia, por exemplo, a palavra Elohim, segundo a definição do respeitado Brown Driver Briggs Léxico Hebraico – Inglês é aplicada a:

a. governantes, juízes, quer como representantes divinos em lugares sagrados ou como refletindo majestade divina e poder.

b. divinos, seres humanos poderosos, incluindo DEUS e anjos.

c. anjos.

Junto com a polissemia ainda existe a homonímia (palavras iguais na pronúncia e na escrita); ambiguidade (palavra que pode ter várias interpretações, ou seja, um duplo sentido, exemplo, ‘o porco do fulano’, ironizando ser uma pessoa suja); parônimos, que são palavras que apresentam significados diferentes embora sejam parecidas na grafia ou na pronúncia. “Estória” é a grafia antiga de “história” e essas palavras possuem significados diferentes. Há os sinônimos e os antônimos, e assim por diante. A linguagem é algo bem complexo. Fácil é fazer uma interpretação errada, isto é, diferente do que o autor deseja transmitir.

A lição trás dois exemplos de palavras cujo significado é muito rico.

Misericórdia, que descreve melhor o que é o amor de DEUS. “Porque o Senhor é bom, a Sua misericórdia dura para sempre, e, de geração em geração, a Sua fidelidade”. Sal. 100:5. A palavra misericórdia tem origem latina, é formada pela junção de miserere (ter compaixão), e cordis (coração). Por ser DEUS misericordioso é que veio JESUS CRISTO à Terra para morrer em nosso lugar, perdoar nossos pecados e nos libertar da morte eterna. Por ser misericordioso é que Ele nunca desiste de nós, se nos perdermos foi porque nós desistimos Dele. Essa é uma palavra que devemos atentar muito bem quando a encontramos na Bíblia, pois o que ela quer dizer é algo muito rico e precioso para nós.

A outra palavra que a lição trouxe para reflexão é shalom, ou seja, paz. Os judeus usam a palavra Shalom como uma saudação e também como uma despedida. É como o nosso cumprimento de olá, bom dia, adeus, etc. Mas o significado dela vai além disso. Significa também harmonia, integridade, prosperidade, bem-estar e tranquilidade. Não encontramos essa palavra nas Bíblias em português, mas traduzida conforme o tradutor. No entanto, essa palavra, nos originais bíblicos, tem um significado mais amplo do que aparece em nossas Bíblias em português.

  • Terça: Repetição, padrões de palavras e significado

Criou Deus o homem à Sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou” (Gênesis 1:27). O ato da criação era algo que só DEUS podia fazer. Portanto, mereceria atenção máxima. E criar um ser humano à imagem e semelhança do próprio Criador é o auge do poder de criar de DEUS. Daí esse verso repete duas vezes, afirmando três vezes que DEUS criou o ser humano, e os criou homem e mulher. Porque DEUS criou em forma de casal é que satanás está tão revoltado, levando à ideologia de gênero, levando as pessoas a crerem que quando nasce um bebê não é nem homem e nem mulher, ele vai escolher no futuro o que será dentre dezenas de possibilidades. Também vai escolher como quer casar, se entre homem e mulher, homem com homem e/ou mulher com mulher. Não foi à toa que DEUS levou Moisés a escrever três vezes o fato de DEUS ter criado o ser humano. Questionam a criação e questionam como foi a criação.

Mais um caso de repetição, embora existam muitos desses casos. “E [os serafins, anjos de seis asas] proclamavam uns aos outros: “Santo, santo, santo é o Senhor dos Exércitos, a Terra inteira está cheia da Sua glória”” (Isaías 6:3).

Esse também é um assunto deveras importante na Bíblia, a santidade de DEUS. Para Ele não há limites a que queira fazer; Ele pode tudo. Então imagine se esse Ser, infinito em poder, não fosse santo! Que tirania seria o Universo. Que sofrimento teriam as criaturas. Ele é santo e puro amor, a Sua Lei é o amor. Por isso Ele é absolutamente confiável. Era preciso a repetição, pois era necessário que, de tudo o que se tem para aprender na Bíblia, se aprendesse com a convicção de que DEUS é santo.

  • Quarta: Textos e contextos

“O contexto é uma circunstância essencial na produção de textos. Ele corresponde ao conjunto de conjunturas (materiais ou abstratas) que rodeiam um acontecimento ou fato. Assim, o contexto são todas as informações que acompanham o texto, modo pelo qual as ideias se encadeiam no discurso. Sendo assim, o contexto corresponde ao ambiente físico ou situacional e pode ser uma referência histórica, social, cultural, familiar. Para compreendermos a mensagem de um texto, precisamos estar a par do contexto ao qual pertence. Isso para que a mensagem transmitida pelo locutor (autor, emissor) seja inteligível para o interlocutor (leitor, receptor)” (Fonte aqui).

Todos os textos têm contextos, não só a Bíblia e todos eles devem ser interpretados considerando o contexto. Quer um exemplo bem atual, na televisão brasileira? Ouça a Globo e depois a Record. A mesma notícia será dada de modo diferente, porque cada uma dessas emissoras tem seus interesses particulares e se valerá dos fatos para defender esses interesses. DEUS, quando inspirou homens santos (profetas) para escreverem a Bíblia, tinha Seus interesses, sem dúvida, que sabemos quais são: que aqui tenhamos uma vida mais saudável e que sejamos salvos para a vida eterna. Tudo na Bíblia deve ser lido considerando isso.

Temos também inúmeras situações na Bíblia que devem ser pensadas em seu contexto amplo e no mais restrito. Por exemplo, os israelitas escravizados no Egito. Porque foram para ali? Porque os irmãos de José o venderam? Não, porque DEUS tinha um plano de formar uma grande nação fora da influência dos maus cananeus. Eles eram tão maus que deveriam ser destruídos, como a turma de Sodoma e Gomorra ainda no tempo de Abraão. E o povo de DEUS deveria ser formado ainda. Qual seria o melhor lugar para formar esse povo? DEUS entendeu que seria no Egito. E por que DEUS permitiu que fossem escravizados? Para que os tirasse dali com grande glória e demonstrasse a eles e aos demais povos quem eles eram e quem era o seu DEUS. E assim por diante. Os fatos muitas vezes formam uma corrente que deve ser considerada. E ainda devemos considerar mais, por exemplo, que DEUS é amor; que Ele nunca erra, embora possa parecer assim; que nos tem como filhos; que nos ama a ponto de vir Seu Filho, que é DEUS, tornar-Se como um ser humano para morrer por nós… Esses são dados do contexto amplo para se entender bem a Bíblia. Quem não considerar esses dados vai encontrar só assuntos para criticar nesse sagrado livro. Vai até condenar DEUS.

Vamos ao exemplo da lição. “Criou Deus o homem à Sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou” (Gênesis 1:27). Aqui, lendo que DEUS criou homem e mulher e chamou de homem os dois, está Se referindo a ser humano, à humanidade, homem gênero, não homem do sexo masculino. É bem fácil constatar isso.

Agora vamos a outro texto. “Então o Senhor Deus formou o homem do pó da terra e soprou em suas narinas o fôlego de vida, e o homem se tornou um ser vivente” (Gênesis 2:7). Aqui ainda não aparece a Eva como no texto acima. Ela não aparece no contexto desse verso. Então claramente se refere ao homem sexo masculino, o pai de toda a humanidade, portanto, o ser humano que logo mais se ligaria à sua mulher. Não é o homem genérico que identifica igualmente homem e mulher.

Mais um texto do mesmo assunto. “O Senhor Deus colocou o homem no jardim do Éden para cuidar dele e cultivá-lo. E o Senhor Deus ordenou ao homem: “Coma livremente de qualquer árvore do jardim, mas não coma da árvore do conhecimento do bem e do mal, porque no dia em que dela comer, certamente você morrerá”. Então o Senhor Deus declarou: “Não é bom que o homem esteja só; farei para ele alguém que o auxilie e lhe corresponda”. Depois que formou da terra todos os animais do campo e todas as aves do céu, o Senhor Deus os trouxe ao homem para ver como este lhes chamaria; e o nome que o homem desse a cada ser vivo, esse seria o seu nome. Assim o homem deu nomes a todos os rebanhos domésticos, às aves do céu e a todos os animais selvagens. Todavia não se encontrou para o homem alguém que o auxiliasse e lhe correspondesse. Então o Senhor Deus fez o homem cair em profundo sono e, enquanto este dormia, tirou-lhe uma das costelas, fechando o lugar com carne. Com a costela que havia tirado do homem, o Senhor Deus fez uma mulher e a trouxe a ele. Disse então o homem: “Esta, sim, é osso dos meus ossos e carne da minha carne! Ela será chamada mulher, porque do homem foi tirada”” (Gênesis 2:15-23).

Nesse texto mais uma vez vemos tratar-se do homem, pai da humanidade, marido de Eva, portanto, do homem no masculino e Eva no feminino. Obviamente não se refere ao homem genérico, que representa, como sabemos, homem e mulher. Aliás, aqui DEUS até fez o homem sentir falta de uma esposa, pois ao ele dar nomes a todos os animais deve ter percebido que todos eles eram casais, masculino e feminino, e ele não. Pois também, logo após DEUS, do próprio Adão, fez a mulher, a ponto de Adão reconhecer isso dizendo que ela era osso de seus ossos e carne de sua carne. Ele ficou bem orgulhoso da mulher que recebeu. Então esse texto trata de homem e de mulher.

E mais uma coisa que se tira desse texto. DEUS criou um homem e uma mulher, formou um casal, e é assim que deve ser, vem da sabedoria divina. Não existe possibilidade de dar certo casamento entre mulheres e entre homens e DEUS não aprova.

  • Quinta: Livros e sua mensagem

Hoje o estudo é sobre os livros da Bíblia. São 66, portanto, não conseguiremos analisar todos. Mas faremos uns exemplos.

No caso do Gênesis, escrito por Moisés, durante a viagem para Canaã. É o livro dos começos, da criação do Universo e da Terra com sua vida, da humanidade. É também o livro que institui o sábado junto da criação, mas no Êxodo será concedida a Lei escrita em tábuas de pedra. O Êxodo é o livro da vitória sobre o Egito pelo poder de DEUS, da viagem dos israelitas pelo deserto e da miraculosa proteção de DEUS no trajeto, até a chegada e conquista da terra prometida. Esse é um livro onde DEUS Se manifesta de modo mais intenso na Bíblia, em que Ele Se revela protegendo o Seu povo. É onde podemos aprender como Ele Se comportará por nós no desfecho da luta entre o bem e o mal.

Outro exemplo que escolhemos é o livro de Cantares de Salomão, escrito para a sua noite a Sulamita. É onde se mostra o amor entre um casal, e também onde fica nas entrelinhas o desprezo de um homem por sua primeira esposa, pois noutro lugar da Bíblia diz que ele teve 700 mulheres, além de 300 concubinas. Como você, leitora, se sentiria com um homem assim que escreve coisas tão lindas como em Cantares de Salomão, mas depois a divide com centenas de outras? A Bíblia não esconde os maus atos de seus personagens.

Outro exemplo é o livro de Daniel, que é bom conjuminarmos com o livro do Apocalipse de João. Esses são livros que nos explicam o desenrolar da história sob o olhar e comando de DEUS. Por eles podemos saber o que DEUS vai fazer pois são livros proféticos. Por eles podemos conhecer a história ao longo dos anos desde Daniel até os nossos dias, com suficientes detalhes. Isso é importante para que saibamos nos comportar em nossos dias. Por esses livros, por exemplo, sabemos que estamos chegando nos dias dos eventos finais e da segunda vinda de JESUS CRISTO, e seremos salvos.

Cada livro tem um propósito específico, mas todos eles revelam JESUS como o Salvador do mundo. Inclusive o livro de Ester que não menciona o nome de DEUS, mas assim como ela e sua sogra foram cuidados por DEUS, nós também seremos. Aliás, Ester nem sabe que foi uma das ancestrais do rei Davi e de JESUS.

  • Resumo e aplicação – Sexta-feira, dia da preparação para o santo sábado:
  • Tema transversal

Cada pessoa deve ter um método para ler e estudar a sua Bíblia. A igreja não está incentivando a Bíblia, ou se está, é bem pouco. Anos atrás, se incentivava, a cada início de ano, o ‘ano bíblico’, que poucos faziam pois dá mais de 3 capítulos por dia na média. Muitos iniciavam em janeiro e antes do final do mês já desistiram. Agora o incentivo, mas fraco, é ler um capítulo por dia. Cada um deve começar quando quiser ou puder. É bem melhor. Não é a quantidade de capítulos que se lê que vai fazer a diferença na vida, e sim, como se lê, se apressadamente ou se com oração e reflexão.

A liderança em todos os níveis deveria incentivar bem mais o estudo da Bíblia.

  • Aplicação contextual e problematização

Nós, Adventistas do Sétimo Dia, não somos mais os “bons de Bíblia” como tempos atrás. Precisamos de uma reforma urgente. Nossos líderes precisam ver isso! Leia o artigo a seguir, do Pr. Alberto R. Timm: “Podemos Ainda Ser Considerados o “Povo da Bíblia”?”, fonte aqui e aqui. O Pr Timm pergunta assim: “Isso nos leva a indagar: Não estaria também a Igreja Adventista do Sétimo Dia correndo o risco de perder sua identidade? Poderíamos detectar hoje evidências disso em nosso meio? E, se detectadas, o que deveríamos fazer para minimizar seus efeitos?” Leia no artigo o que ele responde.

Leia outro artigo “Cristãos que não seguem e nem conhecem a Bíblia são a maioria, diz pesquisa” aqui. Vale a apena saber o que se passa e ver se não estamos nós mesmos nessa situação. Em outra pesquisa feita nos Estados Unidos da América, nós, adventistas, ficamos em quinto lugar quanto ao conhecimento bíblico, atrás dos católicos que ficaram em quarto. Se perdemos para esses, vamos ganhar de quem?

  • Informe profético de fatos recentes

Como deverá ficar o mundo e o Brasil após a crise do corona vírus? Leia uma análise interessante aqui.

Pastor é libertado após 16 anos de prisão por defender a liberdade religiosa, no Vietnã. Um relatório em 2011 afirma que mais de 350 cristãos da região de Montagnard foram presos pelo governo desde 2001.

O cristão vietnamita Y Ngun Khul, que foi preso por defender a liberdade religiosa de sua comunidade cristã Montagnard e por protestar contra as autoridades que fecharam sua igreja, foi libertado após 16 anos de prisão no final de fevereiro.

Ele apresenta uma série de problemas de saúde, adquiridos durante os anos de confinamento.

“Eu tenho insuficiência renal e pressão alta e tive uma hemorragia gastrointestinal”, disse ele em 5 de março. Y Ngun sofreu espancamentos dos guardas da prisão, deixando-o fisicamente marcado e foi repetidamente chutado no estômago. “Agora eu posso comer apenas uma tigela de arroz por dia porque tenho problemas de estômago que dificultam a respiração. Meu pé também está inchando, dificultando a minha movimentação”, explicou.

Durante sua ausência, a família de Y Ngun perdeu sua casa e terra e conseguiu visitá-lo apenas quatro vezes em 16 anos, pois a casa deles na província de Dak Lok ficava a mais de 800 quilômetros da província de Nghe An, onde Y Ngun estava preso. Ngun recebeu uma sentença de 18 anos de prisão em 20 de abril de 2004. Ele destacou a discriminação do governo contra sua comunidade, muitas vezes alvo do governo vietnamita. (Fonte aqui).

Cristã relata repressão do regime cubano contra pastores: “Não temos liberdade de culto.” Marilín Alayo Correa testemunha sobre a repressão do regime comunista de Cuba contra as igrejas e seus líderes. (veja aqui)

Papa Francisco afirmou que a humanidade precisa de um “líder global”? Foi colocada a circular nas redes sociais e em sites noticiosos a informação segundo a qual o Papa Francisco defende que devia existir um líder mundial para defender os seres humanos das ameaças colocadas pelas mudanças climáticas. Numa carta dirigida aos bispos católicos, o Papa Francisco escreveu que acredita que um novo sistema de governo global é necessário. Para o Papa, uma nova autoridade política seria responsável pela redução da poluição e pelo desenvolvimento de países e regiões pobres. Para o Papa Francisco, as mudanças climáticas são reais e perigosas, e as recentes cúpulas realizadas no mundo sobre o meio ambiente, não conseguiram atender às expectativas, pois para ele a falta de vontade política não [permitiu] alcançar acordos globais significativos: ‘As recentes cúpulas do mundo sobre o meio ambiente não atenderam às expectativas, porque, devido à falta de vontade política, elas não foram capazes de alcançar acordos ambientais verdadeiramente significativos e efetivos’, escreveu o Papa Francisco em uma encíclica”. (Fonte aqui).

Nova ordem mundial

O jornalista João Carvalho Santos, de Portugal, faz uma análise bem curta sobre a evolução do poder no mundo após a 1ª Guerra Mundial. O poder que se formou na Europa migrou para os Estados Unidos com a União Soviética, depois de 1990 ficou com os Estados Unidos, e agora forma-se uma aliança entre Rússia e China para dominar o mundo após a Covid-19. Os Europeus estão sendo socorridos por esses dois países, não pelos Estados Unidos. Bem interessante. Porém, antes dos Estados Unidos perderem o poder, a sua aliança com o vaticano certamente emitirá o decreto dominical. Fonte aqui.

Budistas e cristãos estão tratando da unidade entre eles. Veja aqui.

  • Comentário de Ellen G. White

“Tanto adultos como jovens negligenciam a Bíblia. Não fazem dela seu estudo, a regra de sua vida. Os jovens, especialmente, são culpados dessa negligência. A maioria deles encontra tempo para ler outros livros, mas aquele que indica o caminho da vida eterna não é diariamente estudado. Histórias ociosas são lidas atentamente, ao passo que a Bíblia é negligenciada. Esse Livro é nosso guia para uma vida mais elevada e santa. Os jovens o declarariam o mais interessante livro que já leram, não estivesse sua imaginação pervertida pela leitura de histórias fictícias” (Conselhos para Pais, Professores e Estudantes, 138 e 139).

  • Conclusão

Daniel e seus companheiros, quando chegaram à Babilônia, foram desafiados a estudar sobre a cultura desse país idólatra contra o DEUS verdadeiro. Eles estudaram durante 3 anos, e tornaram-se dez vezes mais conhecedores dessa cultura que seus professores. Eles estudaram paganismo e as ciências pagãs. Mesmo assim, eles não se desviaram de sua fé nem de obedecer a DEUS. Eles são prova de que, hoje, também podemos seguir essa trilha, ser vencedores apesar de ter de estudar sobre Evolucionismo, ideologia de gênero, filosofias inúteis, teorias ateístas, etc. Podemos e devemos estudar essas coisas como Daniel e seus companheiros estudaram a cultura babilônica de seu tempo. Assim saberemos melhor do que devemos nos defender. Mas devemos nos manter cada vez mais ligados à Bíblia e suas mensagens a nós, nesses últimos dias.

Assista o comentário clicando aqui.

Lição em espanhol: www.escuela-sabatica.com/comentarios.html

Vídeos sobre capítulos proféticos da Bíblia, em linguagem simples
Daniel 2 Daniel 3 Daniel 7 Daniel 8 Daniel 9 Daniel 12 Apoc. 12
Apoc. 13 1ªp Apoc. 13 2ªp Apoc. 14 Pragas 1ª p (Apoc. 15, 16) Pragas 2ªp Armagedom Pragas 3ªp Armagedom Os chifres
A igreja verdadeira Como é fácil enganar! As 4 primeiras pragas, enfoque econômico        

Estudado e escrito entre   28/3 e 3/4/2020

Revisado por Jair Bezerra

jrbezerra10@gmail.com

Declaração do professor Sikberto R. Marks

O Prof. Sikberto Renaldo Marks orienta-se pelos princípios denominacionais da Igreja Adventista do Sétimo Dia e suas instituições oficiais, crê na condução por parte de CRISTO como o comandante superior da igreja e de Seus servos aqui na Terra. Discorda de todas as publicações, pela internet ou por outros meios, que denigrem a imagem da igreja da Bíblia e em nada contribuem para que pessoas sejam estimuladas ao caminho da salvação. O professor ratifica a sua fé na integralidade da Bíblia como a Palavra de DEUS, e no Espírito de Profecia como um conjunto de orientações seguras à compreensão da vontade de DEUS apresentada por elas. E aceita também a superioridade da Bíblia como a verdade de DEUS e texto acima de todos os demais escritos sobre assuntos religiosos. Entende que há servos sinceros e fiéis de DEUS em todas as igrejas que no final dos tempos se reunirão em um só povo e serão salvos por JESUS em Sua segunda vinda a este mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.